Pedro e a pedra: um estudo exegético de Mateus 16:18
PDF

Palavras-chave

Pedro
pedra
igreja
fundamento
edificação
Cristo
Messias
vitória.

Como Citar

Paroschi, J. (2005). Pedro e a pedra: um estudo exegético de Mateus 16:18. Kerygma, 1(1), 50. Recuperado de https://unasp.emnuvens.com.br/kerygma/article/view/345

Resumo

Este estudo trata de interpretar o texto de Mateus 16:18, o qual narra: “...também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela”. Numa análise superficial, a passagem parece apoiar a teologia católica acerca da edificação da Igreja Cristã sobre Pedro, sendo este o primeiro Papa. No entanto, ao longo do estudo, percebe-se que esta é uma interpretação não exegética do texto. O próprio Pedro, em sua primeira epístola (1Pe 2:4-10), apresenta um comentário da declaração que Cristo lhe fizera. Ele afirma ser Cristo a pedra que vive, sobre o qual os crentes são edificados, tornando-se pedras que vivem, e assim, a Igreja de Cristo é edificada, obtendo a sua vitória. Além disso, existe no Antigo Testamento uma expectativa messiânica ligada à pedra, e no Novo Testamento existem textos que apontam Cristo como sendo a pedra. Logo, o fundamento da Igreja Cristã é “o Cristo, o Filho do Deus vivo” confessado por Pedro em Mateus 16:16.
PDF

Referências

AA., VV. Leitura do Evangelho Segundo Mateus. 2ª edição. Traduzido por Benoni Lemos. Série Cadernos Bíblicos. São Paulo: Edições Paulinas, 1985.

Aland, Kurt e outros. The Greek New Testament. 3ª edição. Grand Rapids, MI: William B. Eedermans, 1989.

Alexander, H. E. O Evangelho Segundo Mateus ou a grande rejeição e suas conseqüên-cias. São Paulo: Casa da Bíblia, s.d.

Barley, James L. e Lyle D. Vander Broek. Literary Form in the New Testament a Handbock. Louisville, Kentucky: Westminster/John Knox Press, 1992.

Bíblia de Estudo Almeida. Revista e Atualizada. 2ª edição. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Broadus, John A. Comentário sobre El Evangélio Segun Mateo. Traduzido por Sarah A. Hale. El Paso, TX: Casa Bautista de Publicaciones, s. d.

Brown, Raymound E., Joseph A. Fitzmyer e Roland E. Murphi, ed. Comentário Bíblico “San Jerônimo”. Traduzido por Jesus V. Malla e Juan J. del Moral. Madrid: Ediciones Cristandad, 1972.

Bullinger, Ethelbert W. Diccionario de figuras de dicción usadas en la Bíblia. Barcelona: CLIE, 1990.

Champlin, Russell Norman. O Novo Testamento interpretado versículo por versículo. 6 vol. São Paulo: Hagnos, 2002.

Crabtree, A. R. Introdução ao Novo Testamento. 2ª edição. Rio de Janeiro: Casa Publi-cadora Batista, 1952.

Cullmann, O. “Pedra”. O novo dicionário internacional de teologia do Novo Testamento. Editado por Colin Brown e Lothar Coenen. Traduzido por Gordon Chown. São Paulo: Edições Loyola, 1977. 3:495-502.

Davidson, F. O novo comentário da Bíblia. 3ª edição. Traduzido por Russel P. Shedd. 3 vol. São Paulo: Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, 1995

Fee, Gordon D. e Douglas Stuart. Entendes o que Lês? Um guia para entender a Bíblia com o auxílio da exegese e da hermenêutica. Traduzido por Gordon Chown. São Paulo: Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, 1991.

Henry, Matthew. Comentário exegético – devocional a toda la Biblia. Traduzido por Francisco Lacueva. 11 vol. Barcelona: Editorial Clie, 1990.

Lancellotti, Angelo. Comentário ao Evangelho de São Mateus. Traduzido por Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis, RJ: Editora Vozes Ltda., 1980.

Meyer, F. B. Comentário bíblico – Antigo e Novo Testamentos. 2ª edição. Traduzido por Amantino A. Vassão. Belo Horizonte: Editora Betânia, 2002.

Mishná, Essência do Judaísmo Talmúdico. Traduzido por Marisa Murrag, Marly Droge, Sílvia Morgenstern e Théa Sequerra. Rio de Janeiro: Editora Documentário, 1973.

Mounce, Robert H. Novo comentário bíblico contemporâneo – Mateus. Traduzido por Oswaldo Ramos. São Paulo: Editora Vida, 1996.

Nichol, Francis D., ed. Comentário bíblico Adventista del 7º Dia. 7 vol. Traduzido por Victor E. Ampuero Matta. Boise, ID: Pacific Press Publishing Association, 1978-1990.

Petter, Hugo M. La Nueva Concordancia Greco-Espanhola del Nuevo Testamento com Índices. Editorial Mundo Hispano, 1976.

Rega, Lourenço Stelio. Noções do Grego Bíblico. 4ª edição. São Paulo: Edições Vida Nova, 1999.

Rienecker, Fritz. Evangelho de Mateus Comentário Esperança. Traduzido por Wermer Fuchs. Curitiba: Editora Evangélica Esperança, 1998.

Schmid, Josef. El Evangelio Segun San Mateo. 2ª edição. Barcelona: Editorial Herder, 1973.

Stagg, Frank. “Introdução e Comentário sobre o texto de Mateus”. Comentário bíblico Broadman, ed. Clifton J. Allen, 8:89-310. 3ª edição.

Traduzido por Adiel Almeida de Oliveira. Rio de Janeiro: Junta de

Educação Religiosa e Publicações, 1986.

Stegenga, Jackson J. Concordância Analítica Greco-Española del Nuevo Testamento Greco-Español. Traduzido por Alfred E. Tuggy. Barcelona: CLIE, 1987.

White, Ellen G. O desejado de todas as nações. 17ª edição. Traduzido por Isolina A. Waldvogel. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1990.

Uma vez aceitos para a publicação, os direitos autorais dos artigos são automaticamente transferidos à Kerygma. Todo material utilizado no texto que possua direitos autorais de terceiros devem estar devidamente referenciados. As pessoas autoras também devem deter os direitos de reprodução das imagens e tabelas em seu material, caso seja necessário. Autores(as) que publicam na Kerygma devem concordar com os seguintes termos:

Termo 1: Os(as) autores(as) concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, permitindo o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.
Termo 2: Os(as) autores(as) têm a autorização para assumir contratos adicionais para a distribuição não exclusiva de seu trabalho, conforme publicado na revista (por exemplo: repositório institucional, capítulo de livro etc.). Contudo, ele deve reconhecer a autoria e a publicação inicial do trabalho à Kerygma.
Termo 3
: Os(as) autores(as) concordam com a reprodução livre de seu material pela Kerygma, que poderá adaptar, modificar, condensar, resumir, reduzir, compilar, ampliar, alterar, mixar com outros conteúdos, incluir imagens, gráficos, objetos digitais, infográficos e hyperlinks, ilustrar, diagramar, fracionar, atualizar, traduzir e realizar quaisquer outras transformações, sendo necessária a participação ou autorização expressa dos autores. Ela também pode distribuir mediante cabo, fibra ótica, satélite, ondas ou qualquer outro sistema que permite acesso ao usuário em tempo e lugar determinados, seja por vias gratuitas ou por sistemas que importem pagamento. A Kerygma poderá incluir o trabalho em banco de dados, físico ou virtual, arquivar em formato impresso, armazenar em computador, em sistema de nuvem, microfilmar e demais formas de arquivamento atuais ou que ainda possam ser desenvolvidas, com ou sem fins lucrativos.

A revista Kerygma é detentora dos direitos de todos os trabalhos publicados por ela. A reprodução integral desses textos em outras publicações, para qualquer outra finalidade, por quaisquer meios, requer autorização por escrito do editor. O mesmo serve para reproduções parciais, como resumo, abstract, porções com mais de 500 palavras do texto, tabelas, figuras, ilustrações etc.

Downloads

Não há dados estatísticos.