Uma teologia da oração intercessória: análise de sua funcionalidade no contexto do grande conflito
PDF

Palavras-chave

oração intercessória
grande conflito
Daniel 10
ministério de oração

Como Citar

Batista, Élvio. (2005). Uma teologia da oração intercessória: análise de sua funcionalidade no contexto do grande conflito. Kerygma, 1(1), 51. Recuperado de https://unasp.emnuvens.com.br/kerygma/article/view/346

Resumo

Dentro do contexto cristão, pode ser visto constantemente pessoas orando por outras e outras solicitando que se ore por elas. Essa prática é bíblica e, portando, deve ser realizada. Mas que sentido faz orar pela conversão de uma pessoa ou por uma determinada intervenção divina na vida dela? Será que Deus já não está fazendo tudo para convertê-la ou ajudá-la? Esta pesquisa procura a relação entre a oração de uma pessoa e a atuação divina na vida de outra. Tendo em vista a complexidade do tema, vale ressaltar que esta análise da intercessão se limita aos aspectos funcionais da mesma no contexto do grande conflito entre o bem e o mal. Ademais, um estudo sobre as implicações cósmicas e salvíficas da oração intercessória lança maior luz quanto à compreensão do caráter de Deus e de Satanás.
PDF

Referências

Allen, Clifton J., ed. Comentário bíblico Broadman: Novo Testamento. Traduzido por A-diel Almeida de Oliveira. 12 vol. 2ª ed. Rio de Janeiro: JUERP, 1988.

Anotações em sala de aula. Programa de Daniel. Faculdade Adventista de Teologia, Enge-nheiro Coelho, São Paulo, maio de 2002.

Anotações em sala de aula. Programa de Doutrinas I [Cristologia]. Faculdade Adventista

de Teologia, Engenheiro Coelho, São Paulo, fevereiro de 2001.

Anotações em sala de aula. Programa de Liturgia e Adoração. Faculdade Adventista Teo-logia, Engenheiro Coelho, São Paulo, maio de 2002.

Anotações em sala de aula. Programa de Teologia Sistemática III [Escatologia]. Faculdade Adventista de Teologia, Engenheiro Coelho, São Paulo, novembro de 2003.

Associação Ministerial da Associação Geral dos Adventistas do Sétimo Dia. Guia para ministros. Traduzido por Naor G. Conrado. 5ª ed. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1995.

Barbalho, Tércia. “Como lidar com pessoas que você não suporta” Palestra na capela cen-tral do Centro Universitário Adventista de São Paulo, campus Engenheiro Coelho, 1º de agosto de 2002. [anotações do autor].

Bíblia de estudo Almeida. 2ª ed. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Biehl, Bobb e James W. Hagelganz. Oração: como começar e continuar orando. São Pau-lo: Editora Vida, 1982.

Brown, Colin, ed. O novo dicionário internacional de teologia do Novo Testamento. 5 vol. Traduzido por Gordon Chown. São Paulo: Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, 1982.

Bushel, Michael S. BibleWorks for Windows 95. Version 3.5, 1996.

Champlim, Russell Norman e João Marques Bentes. Enciclopédia de

Bíblia, teologia e filosofia. 6 vol. 5ª ed. São Paulo: Editora Hagnos, 2001.

Estudos bíblicos: doutrinas fundamentais das Escrituras Sagradas. 14ª ed. Tatuí, SP: Ca-sa Publicadora Brasileira, 1991.

Finley, Mark. Estudando juntos: manual de referência bíblica. Tatuí, SP: Casa Publicado-ra Brasileira, s.d.

________. “A oração intercessória”, Revista do Ancião, julho a setembro de 2002, 28-29.

Foster, Richard J. Oração: o refúgio da alma. Campinas, SP: Editora Cristã Unida, 1996.

Gingrich, F. Wilbur e Frederich W. Danker. Léxico do Novo Testamento: grego/português. Traduzido por Júlio P. T. Zabatiero. São Paulo: Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, s.d.

Harris, R. Laird, Gleason L. Archer e Bruce K. Waltke, eds. Dicionário internacional de teologia do Antigo Testamento. Traduzido por Márcio

Loureiro Redondo, Luiz A. T. Sayão e Carlos Osvaldo C. Pinto. São

Paulo: Vida Nova, 1998, 1198.

Lessa, Rubens S. “A prática da oração na Igreja Adventista”. Revista

Adventista, fevereiro de 1997, 8-10.

Maxwell, C. Mervyn. Uma nova era segundo as profecias de Daniel. Traduzido por Hélio Luiz Grelman. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1996.

McDonald, Gordon. Ponha ordem no seu mundo interior. Traduzido por Myrian Talitha Lins. Venda Nova, MG: Editora Betânia, 1988.

Neal, Beatrice S. “As grandes orações da Bíblia”. Lição da Escola Sabatina, 1º trimestre de 2001.

Nichol, Francis D., ed. Comentários sobre Daniel. Traduzido por Valério Silva Fortes. 3ª ed. São Paulo: Departamento Gráfico do Instituto Adventista de Ensino, 1984.

Nisto cremos: 27 ensinos bíblicos dos adventistas do sétimo dia. Traduzido por Hélio L. Grellmann. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1989.

Reis, Osmar D. dos, coord. Pequenos grupos: um novo estilo de vida cristã. São Paulo: Colorcrom, 1996.

Rice, Richard. O reino de Deus: curso de atualização teológica. s.l.: RB Gráfica e Edito-ra, s.d.

Rodríguez, Angel Manuel. “Grandes profecias apocalípticas”. Lição da Escola Sabatina, 2º trimestre de 2002, 56.

________. Fulgores de gloria. Traduzido por Benjamin García. Buenos Aires: Asociación Casa Editora Sudamericana, 2001.

Santos, Augusto César Maia dos. Caráter ou personalidade: o que o cristão deve mudar afinal? Artur Nogueira, SP: CEDISAU, 1996.

Sarli, Tércio. “Oração: centro da religião”. Revista Adventista, abril de 2002, 11.

Schultz, Samuel J. A história de Israel no Antigo Testamento. Traduzido por João Mar-ques Bentes. São Paulo: Vida Nova, 1995.

Shedd, Russel P. Adoração bíblica. São Paulo: Vida Nova, 2001.

Silva, Horne Pereira da. Culto e adoração. 2ª ed. Engenheiro Coelho, SP: Imprensa Uni-versitária Adventista, 1994.

Taylor, William Carey. Introdução ao estudo no Novo Testamento grego: dicionário. 5ª ed. Rio de Janeiro: JUERP, 1978.

Wagner, C. Peter. Prayer Shield: How to Intercede for Pastors, Christian Leaders and Others on the Spiritual Frantlines. The Prayer Warrior Series. Ventura, CA: Regal Books, s.d.

White, Ellen G. A ciência do bom viver. Traduzido por Carlos A. Trezza. 7ª ed. Tatuí,SP: Casa Publicadora Brasileira, 1994.

________. Caminho para Cristo. Traduzido por Isolina A. Waldvogel. 26ª ed. Tatuí,SP: Casa Publicadora Brasileira, 1987.

________. Educação. 5ª ed. Santo André, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1977.

________. Evangelismo. Traduzido por Octávio E. Santos, Raphael de Azambuja e Isolina A. Waldvogel 2ª ed. Santo André, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1978.

________. Medicina e salvação. Traduzido por Almir A. Fonseca e Carlos A. Trezza. 2ª ed. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1991.

________. Mensagens escolhidas. Traduzido por Luiz Waldvogel e Isolina Waldvogel. 3 vol. 2ª ed. Santo André, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1985-1987.

________. Nos lugares celestiais. Meditações Matinais. Traduzido por Luiz Waldvogel. Santo André, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1968.

________. O Desejado de todas as nações [edição compacta]. Traduzido por Isolina Waldvogel. 2ª ed. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1996.

________. Obreiros evangélicos. Traduzido por Isolina Waldvogel. 5ª ed. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1993.

________. Orientação da criança. Traduzido por Renato Bivar. 2ª ed. Santo André, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1975.

________. Prayer. Nampa, ID: Pacific Press Publishing Association, 2002.

________. Primeiros escritos. Traduzido por Carlos A. Trezza. 3ª ed. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1998.

________. Profetas e reis [edição compacta]. Traduzido por Carlos A. Trezza. 2ª ed. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1996.

________. Testemunhos para a igreja. Traduzido por Cesar Luís Pagani. 9 vol Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2001.

________. Testemunhos para ministros e obreiros evangélicos. Traduzido por Renato Bivar. 3ª ed. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1993.

________. Testemunhos seletos. Traduzido por Isolina Waldvogel. 3 vol. 5ª ed. Santo André, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1984-1985.

________. Testimonies for the Church. 9 vol. Boise, ID: Pacific Press Publishing Association, s.d.

Wigram, George V. The Englishman’s Greek Concordance: Numerically Coded to Strong’s Exaustive Concordance. 9ª ed. Grand Rapids, MI: Baker Book House, 1989.

Wilkes, C. Gene. O último degrau da liderança. Traduzido por Neyd Siqueira. São Paulo: Mundo Cristão, 2000.

Wulf, F. “Oração”. Dicionário de teologia: conceitos fundamentais da teologia atual. 5 vol. Ed. Heinrich Fries. São Paulo: Edições Loyola, 1970.

www.clinicadeoracao.org.br/poder_da_oração_à_distância.htm

Yerington, Jeff. Concordância Fiel do Novo Testamento. 2 vol. São José dos Campos, SP: Editora Fiel da Missão Evangélica Literária, 1994.

Uma vez aceitos para a publicação, os direitos autorais dos artigos são automaticamente transferidos à Kerygma. Todo material utilizado no texto que possua direitos autorais de terceiros devem estar devidamente referenciados. As pessoas autoras também devem deter os direitos de reprodução das imagens e tabelas em seu material, caso seja necessário. Autores(as) que publicam na Kerygma devem concordar com os seguintes termos:

Termo 1: Os(as) autores(as) concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, permitindo o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.
Termo 2: Os(as) autores(as) têm a autorização para assumir contratos adicionais para a distribuição não exclusiva de seu trabalho, conforme publicado na revista (por exemplo: repositório institucional, capítulo de livro etc.). Contudo, ele deve reconhecer a autoria e a publicação inicial do trabalho à Kerygma.
Termo 3
: Os(as) autores(as) concordam com a reprodução livre de seu material pela Kerygma, que poderá adaptar, modificar, condensar, resumir, reduzir, compilar, ampliar, alterar, mixar com outros conteúdos, incluir imagens, gráficos, objetos digitais, infográficos e hyperlinks, ilustrar, diagramar, fracionar, atualizar, traduzir e realizar quaisquer outras transformações, sendo necessária a participação ou autorização expressa dos autores. Ela também pode distribuir mediante cabo, fibra ótica, satélite, ondas ou qualquer outro sistema que permite acesso ao usuário em tempo e lugar determinados, seja por vias gratuitas ou por sistemas que importem pagamento. A Kerygma poderá incluir o trabalho em banco de dados, físico ou virtual, arquivar em formato impresso, armazenar em computador, em sistema de nuvem, microfilmar e demais formas de arquivamento atuais ou que ainda possam ser desenvolvidas, com ou sem fins lucrativos.

A revista Kerygma é detentora dos direitos de todos os trabalhos publicados por ela. A reprodução integral desses textos em outras publicações, para qualquer outra finalidade, por quaisquer meios, requer autorização por escrito do editor. O mesmo serve para reproduções parciais, como resumo, abstract, porções com mais de 500 palavras do texto, tabelas, figuras, ilustrações etc.

Downloads

Não há dados estatísticos.