DEEP ECOLOGY
PDF

Palavras-chave

Ecologia
Filosofia
Deep Ecology
spinoza

Como Citar

Darius, F., & Barnabé, T. (2021). DEEP ECOLOGY. Kerygma, 15(2), 50-63. https://doi.org/10.19141/1809-2454.kerygma.v15.n2.p50-63

Resumo

O estudo da ecologia baseia-se nas interações entre os diversos organismos vivos em uma rede conectada chamada ecossistema. O termo foi cunhado em 1866 pelo biólogo alemão Ernst Haeckel como um estudo sistemático da inter-relação dos seres vivos na terra. Contudo, a partir do século 20, os impactos socioambientais herdados pela idade moderna, começaram a se tornar amplamente perceptíveis e criticados. Com isso, a partir desse instante, diversos movimentos ambientais surgiram, pautados em temáticas de sustentabilidade e consciência ambiental. Nesse sentido, este estudo tem o objetivo de verificar a perspectiva ecológica contemporânea, a partir das vertentes do movimento denominado Deep ecology. Para tanto, foi empreendida pesquisa bibliográfica para fomentar a compreensão histórica e filosófica da ecologia, bem como para o entendimento da origem da Deep ecology e suas supostas perspectivas teosóficas. Em 1970, o filósofo escandinavo Arne Naess (1912-2009) estabeleceu, com base nos pensamentos de Baruch Spinoza e outros filósofos, uma linha de pensamento sobre a responsabilidade humana em relação à natureza. Sua filosofia, buscava estipular uma ecologia profunda, a qual reestruturasse as concepções ecológicas modernas e antropocêntricas. Portanto, espera-se compreender as mudanças da concepção ecológica na história visando os impactos ambientais causados no século 19 e 20 enquanto pano de fundo histórico para melhor percepção da perspectiva da Deep ecology, a partir da década de 1970. Ainda se conclui incipientemente que o pensamento proposto por Naess estabelece, hoje, medidas ecológicas sustentáveis e eficazes para uma melhor cidadania planetária.

https://doi.org/10.19141/1809-2454.kerygma.v15.n2.p50-63
PDF

Referências

BELSHAW, C. Environmental Philosophy: Reason, Nature and Human Concern. London: Routledge, 2001.

BEYERS, J. What does Religion have to Say about Ecology? A New Appraisal of Naturalism. Journal for the Study of Religions and Ideologies, v. 15, n. 45, p. 96-119, 2016.

BITTENCOURT, J. A. Descartes e a morte de Deus. Belo Horizonte: Paulus Editora, 2015.

DEVALL, B; SESSIONS, G. Deep ecology: Living as if Nature Mattered. Salt Lake city: Peregrine Smith Books, 1985.

DEVALL, B. The Deep ecology Movement. Natural Resources Journal, New Mexico, v. 20, p. 299 – 322, Abr. 1980.

SPINOZA, B. Breve tratado do homem, de Deus e de seu bem estar. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012.

SPINOZA, B. Ética. Trad. de Tomaz Tadeu da Silva. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17ª. Ed. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, 1987.

GRAYLING, A.C. The History of Philosophy. Londres, Inglaterra: Penguin Press, 2019.

KESSELRING, T. O conceito de natureza na história do pensamento ocidental. Episteme, Porto Alegre, n. 11, p. 153 – 172. jul/dez 2000.

MCHENRY, L. Whitehead’s Panpsychism and Deep ecology. In: WHEELER, D.; CONNER, D. E. Conceiving an Alternative: Philosophical Resources for an Ecological Civilization. Processes Century Press, 2019. P. 229 – 251.

NAESS, A. The Ecology of Wisdom: Writings by Arne Naess. Berkeley: Counterpoint, 2008.

NAESS, A. Spinoza and Ecology. p. 45 – 54, 1977.

OLIVEIRA, N. M. C. O conceito de Natureza em Spinoza: contribuições para uma crítica ecológica mais efetiva. 2016. 101f. Dissertação (Desenvolvimento e Meio Ambiente). Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2016.

REALE, G. História da Filosofia: do humanismo a Descartes, v. 3. São Paulo, SP: Paulus, 2004.REALE, G. História da Filosofia: de Spinoza a Kant, v. 4. São Paulo, SP: Paulus, 2005.

REED, P.; ROTHENBERG, D. Wisdom in the Open Air: The Norwegian Roots of Deep ecology. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1992.

WIMBERLEY, E. T. Nested Ecology: The Place of Humans in the Ecological Hierarchy. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2009.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Downloads

Não há dados estatísticos.