A vivência dos aspectos estéticos, expressivos e intersubjetivos na docência

Autores

  • Sandra Elisa Réquia Souza Universidade Federal de Santa Maria - UFSM, Rio Grande do Sul, (Brasil)
  • Amarildo Luiz Trevisan Universidade Federal de Santa Maria - UFSM, Rio Grande do Sul, (Brasil)

Palavras-chave:

Intersubjetividade, Docência, Formação de Professores

Resumo

Objetivo: Compreender como os aspectos citados são vivenciados por professores no intuito de auxiliar nas reflexões e discussões sobre a formação de professores.

Originalidade/valor: O estudo evidenciou que a especificidade da profissão docente requer saberes norteadores da sua ação e, dessa forma, necessita-se do entendimento de que educar não é somente transmitir conteúdos para a reprodução, mas considerar que a formação humana requer a vivência dos aspectos estéticos, expressivos e intersubjetivos na ação pedagógica.

Método: Utilizou-se a hermenêutica afetiva de Andrés Ortiz-Osés, hermeneuta latino que busca nas categorias de interpretação, linguagem, sentido, simbolismo e afetividade para caracterizar a referida abordagem. Essas categorias foram consideradas na escuta de quatro professores universitários – nomeados A, B, C e D.

Resultados: De acordo com as narrativas dos docentes entrevistados, percebemos que existem dificuldades na vivência dos aspectos estéticos, expressivos e intersubjetivos. Esses impasses acontecem em consequência de variantes diversas, seja pela falta de formação pedagógica dos professores, pela compreensão equivocada da fragmentação do ensino, do curso e em consequência do currículo, e ainda, pela formatação da estrutura dos cursos no que diz respeito a salas com numerosos alunos, tempos das aulas e ensino conteudista.

Conclusão: Constatou-se que os impasses acerca das dificuldades se expressam na contrariedade em (re)significar o olhar para a própria profissão, pois os docentes se veem como sujeitos dotados de razão, culminando no extremo desse entendimento, ou seja, nos racionalismos e fragmentações negacionistas da humanidade nas relações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandra Elisa Réquia Souza, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM, Rio Grande do Sul, (Brasil)

Doutora em Educação Universidade Federal de Santa Maria - UFSM, Rio Grande do Sul, (Brasil). Funcionário público da Universidade Federal de Santa Maria e tutora do Curso de Educação a Distância em Ciências da Religião.

Amarildo Luiz Trevisan, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM, Rio Grande do Sul, (Brasil)

Pós-Doutor em Humanidades - Universidade Carlos III, de Madri, Colmenarejo, (Espanha). Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, Rio Grande do Sul, (Brasil). Professor Titular da Universidade Federal de Santa Maria - UFSMRio Grande do Sul.

Referências

ADORNO, T. Educação e emancipação. 3. ed. Rio de janeiro: Paz e Terra, 1995.

ARAÚJO, L. M. B.; SOUSA, R. R. O adoecimento psíquico de professores da rede pública estadual: perspectivas dos docentes.[S.l.: s.n.], 2013. Disponível em: www.anpad.org.br/admin/pdf/2013_EnANPAD_GPR2266.pdf Acesso em: 3 jun. 2015.

BEHRENS, M. A. O paradigma da complexidade na formação e no desenvolvimento profissional de professores universitários. Revista Educação, Porto Alegre, v. 30, n. 3, p. 439-455, set./dez. 2007.

BIESTA, G. Para além da aprendizagem: Educação democrática para um futuro humano. Tradução Rosaura Eichenberg. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2013.

CHAUI, M. S. Mito e filosofia. Territórios de Filosofia, 15 abr. 2013. Disponível em: https://territoriosdefilosofia.wordpress.com/2013/04/15/mito-e-filosofia-marilena-chaui. Acesso em: 21 mai. 2019.

CHAUI, M. S. A universidade pública sob nova perspectiva. Revista Brasileira de Educação, n. 24, set./dez. 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbedu/n24/n24a02.pdf. Acesso em: 05 jan. 2021.

DAMÁSIO, A. A estranha ordem das coisas. Portugal: Temas e Debates, 2017.

EURÍPIDES. As bacantes. São Paulo: Hedra, 2010.

GAUTHIER, C. et al. Por uma teoria da pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. 3. ed. Ijuí: Unijuí, 2006.

OZÉS-ORTIZ, A. Hermenêutica, sentido e simbolismo. In: ARAÚJO, A. F.; BAPTISTA, F. P (org.). Variações sobre o imaginário: Domínios, Teorizações, Práticas Hermenêuticas. Lisboa: Instituto Piaget, 2003.

OLIVEIRA, E. S. G de. O “mal-estar docente” como fenômeno da modernidade: os professores no país das maravilhas. Ciênc. Cogn., Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, mar. 2006. Disponível em: www.cienciasecognicao.org/pdf/v07/M31677.pdf. Acesso em: 30 maio 2023.

SAVIANI, D. Formação de Professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, v. 14, n. 40, jan./abr. 2009. Disponível em: www.scielo.br/pdf/rbedu/v14n40/v14n40a12.pdf. Acesso em: 1 jun. 2023.

TIMM, E. Z. et al. O mal-estar na docência em tempos líquidos de Modernidade. Revista mal-estar e subjetividade, Fortaleza, v. X, n. 3, p. 865-885, setembro, 2010.

UFSM. Universidade Federal de Santa Maria. Projeto Pedagógico Institucional – PPI. Santa Maria, RS: UFSM, 2016. Disponível em: https://www.ufsm.br/app/uploads/sites/342/2018/05/UFSM_PPI_Projeto_Pedagogico_Institucional.pdf. Acesso em: 14 jul. 2021.

Downloads

Publicado

2023-09-05

Como Citar

RÉQUIA SOUZA, S. E.; TREVISAN, A. L. . A vivência dos aspectos estéticos, expressivos e intersubjetivos na docência. Docent Discunt, Engenheiro coelho (SP), v. 4, p. e01547, 2023. Disponível em: https://unasp.emnuvens.com.br/rdd/article/view/1547. Acesso em: 18 abr. 2024.