CURRÍCULO FUNCIONAL E MULTI-DEFICIÊNCIAS
pdf

Palavras-chave

educação inclusiva
currículo funcional
necessidades educativas especiais
cif

Como Citar

Scardini Menegazzo Nunes, B., & Lima-Rodrigues, L. M. (2021). CURRÍCULO FUNCIONAL E MULTI-DEFICIÊNCIAS. Docent Discunt, 1(2), 118-127. https://doi.org/10.19141/docentdiscunt.v1.n2.p118-127

Resumo

As escolas devem respeitar as habilidades e diversidades dos seus educandos, oferecendo um currículo flexível ou adaptado. Na década de 1970, pesquisadores da Universidade do Kansas propuseram o Currículo Funcional Natural (CFN) e influenciaram na sistematização de objetivos dos programas educativos numa perspectiva funcional. Em 2001, a Organização Mundial de Saúde apresentou a Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF) propondo uma análise biopsicossocial do indivíduo com deficiência ou necessidades educativas especiais (NEE). Esta investigação objetiva indicar um modelo curricular apropriado ao desenvolvimento das habilidades individuais e diferenciadas dos alunos com NEE e deficiências, além de apresentar as contribuições da CIF para a implementação de um currículo mais inclusivo. Este é um estudo teórico, reflexivo, que tem na pesquisa bibliográfica seu recurso de investigação. Documentos legais educacionais nacionais e internacionais indicam que no centro da atividade da escola estão o currículo e as aprendizagens dos alunos. Ao se construir o PEI (programa educativo individual), este pode integrar os indicadores de funcionalidade, mediante a CIF, bem como os fatores ambientais que funcionam como facilitadores ou como barreiras à atividade e participação do aluno na vida escolar. A CIF não deve ser usada para categorização, mas é útil na organização da informação, em clarificar a avaliação realizada e facilitar a comunicação entre os envolvidos. Através dos indicadores da CIF é possível orientar a seleção de intervenções e respostas educativas, especialmente sobre o CFN, para os alunos com NEE e deficiências.

https://doi.org/10.19141/docentdiscunt.v1.n2.p118-127
pdf

Referências

AIN, G. I. What is the appropriate curriculum for students with disabilities? Standards-based curriculum versus functional curriculum for students with disabilities. [S. l.]: Institute of Education Sciences, 2018. Texto. Disponível em: https://bit.ly/3rNXtds. Acesso em: 12 fev. 2021.

AINSCOW, M.; DYSON, A.; WEINER, S. From exclusion to inclusion: ways of responding in schools to students with special educational needs. Reading: CFBT Education Trust, 2013.

BANCO MUNDIAL. Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial de 2011: Conflito, Segurança e Desenvolvimento. Washington: Banco Mundial, 2011. Disponível em: https://bit.ly/3aaKCfv. Acesso em 12 fev. 2021.

BOURDIEU, P. Estruturas, habitus, práticas. In: BOURDIEU, P. O senso prático. Petrópolis: Vozes, 2009.

BRASIL. Parecer CNE/CEB n.º 17/2001, de 3 de julho de 2001. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer CNE/CEB n.º 6/2007, de 1 de fevereiro de 2007. Solicita parecer sobre definição do atendimento educacional especializado para alunos com necessidades educacionais especiais, como parte diversificada do currículo. Brasília, 2007.

BROWN, L.; BRANSTON, M. B.; HAMRE-NIETUPSKI, S.; PUMPIAN, I. A Strategy for Developing Chronological-Age-Appropriate and Functional Curricular Content for Severely Handicapped Adolescents and Young Adults. The Journal of Special Education, v. 13, n. 1, 1 mar 1979, p. 81-90.

COLLEY, A. To what extent have learners with severe, profound, and multiple learning difficulties been excluded from the policy and practice of inclusive education? International Journal of Inclusive Education, United Kingdom, 13 jun 2018, p. 1-19.

DYMOND, S. K. BUTLER, A. M.; HOPKINS, S. L.; PATTON, K. A. Curriculum and Context: Trends in Interventions with Transition-Age Students with Severe Disabilities. The Journal of Special Education, v. 52, n. 3, 23 abr 2018, p. 152-162.

HOLLENWEGER, J. Cross-National Comparisons of Special Education Classification Systems. In: FLORIAN, L.; MCLAUGHLIN, M. J. (Eds.). Disability classification in education: issues and perspectives. Thousand Oaks: Corwin Press, 2008.

LEBLANC, J. M.; ETZEL, B. C.; DOMASH, M. A. A functional curriculum for early intervention. In: ALLEN, K. E.; HOLM, V. A.; SCHIEFELBUSCH, R. L. (Eds.). Early Intervention: A team approach. Baltimore: University Park Press, 1978.

LIBÂNEO, J. C. Organização e gestão da escola: teoria e prática. 5ª ed. Goiânia: Editora Alternativa, 2004.

MANTOAN, M. T. E. Educação escolar de deficientes mentais: problemas para a pesquisa e o desenvolvimento. Cadernos Cedes, v. 19, n. 46, 1 set. 1998.

NORWICH, B. Perspectives and Purposes of Disability Classification Systems: Implications for Teachers and Curriculum and Pedagogy. In: FLORIAN, L.; MCLAUGHLIN, M. J. (Eds.). Disability classification in education. Thousand Oaks: Corwin Press, 2008.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Como usar a CIF: Um manual prático para o uso da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF). 2013. Disponível em: https://bit.ly/3tScjlb. Acesso em: 12 fev. 2021.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. CIF: Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde São Paulo: EDUSP, 2003.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. 2018. Disponível em https://brasil.un.org/pt-br/sdgs. Acesso em: 25 ago. 2020.

PORTUGAL. Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro de 2008. Diário da República 4, I Série. Ministério da Educação. Lisboa, 2008.

PORTUGAL. Decreto-Lei n.º 54/2018, de 6 de julho de 2018. Diário da República 129, I Série. Ministério da Educação. Lisboa, 2018.

PORTUGAL. Decreto-Lei n.º 55/2018, de 6 de julho de 2018. Diário da República 129, I Série. Ministério da Educação. Lisboa, 2018.

RÄMÄ, I.; KONTU, E.; PIRTTIMAA, R. The usefulness of the ICF framework in goal setting for students with autism spectrum disorder. Journal of International Special Needs Education, v. 22, n. 2, 2018, p. 43-53.

SOUZA, N. P.; ALPINO, A. M. S. Avaliação de Crianças com Diparesia Espástica Segundo a Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF). Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 21, n. 2, 2015, p. 199-212.

SUPLINO, M. Currículo funcional natural: guia prático para a educação na área do autismo e deficiência mental. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Coordenadoria Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência; Maceió: ASSISTA, 2005.

UDVARI-SOLNER, A.; THOUSAND, J. S. Creating a Responsive Curriculum for Inclusive Schools. Remedial and Special Education, v. 17, n. 3, 1 mai. 1996, p. 182-191.

UNESCO. Declaração de Salamanca sobre princípios, política e práticas na área das necessidades educativas especiais. 1994. Disponível em: https://bit.ly/3pm4eSs. Acesso em: 12. fev. 2021.

UNESCO. Manual para garantir inclusão e equidade na educação. Brasília: 2019.

UNITED STATES. Individuals with Disabilities Education Improvement Act of 2004. Washington DC, 2004. WORLD HEALTH ORGANIZATION. International Classification of Functioning Disability and Health (ICF). Geneva: WHO, 2001.

Copyright (c) 2021 Docent Discunt

Downloads

Não há dados estatísticos.