ATEÍSMO MODERNO
PDF

Palavras-chave

atheism
growth
disseminators
influence ateísmo
crescimento
divulgadores
influência

Como Citar

Xavier, E. T., & Cardoso, M. F. (2020). ATEÍSMO MODERNO: CONSIDERAÇÕES SOBRE O CRESCIMENTO DO PENSAMENTO ATEÍSTA NA SOCIEDADE ATUAL E SUA INFLUÊNCIA NOS CONTEXTOS RELIGIOSOS. Kerygma, 15(2), 32–49. https://doi.org/10.19141/1809-2454.kerygma.v15.n2.p32-49

Resumo

O ateísmo tem crescido nas últimas décadas pela militância de filósofos e estudiosos da ciência que apregoam um novo ateísmo. O objetivo deste estudo é refletir sobre a nova fase do ateísmo na sociedade atual e seus principais divulgadores buscando reconhecer a expansão desse fenômeno e sua influência no contexto religioso. Por meio da pesquisa bibliográfica, observa-se que o neoateísmo se apresenta com as mesmas ideias do ateísmo, mas com uma nova visão dos conceitos e pensamentos, tornando mais acessível a divulgação do movimento ateísta. Os representantes do neoateísmo combatem a ideia de Deus ou deuses e a crença no sobrenatural, atacando especialmente o fundamentalismo religioso e a influência religiosa na política e na sociedade, enfatizando a evidência científica em detrimento da fé na divindade. O ateísmo tem se propagado com maior facilidade hoje em dia, sobretudo por buscar respostas aos questionamentos humanos na razão e na ciência, mas atraindo também outras pessoas pelo uso de novos argumentos que aceitam no movimento ateísta, a fé e a espiritualidade. Conclui-se que os neoateístas têm propagado a mensagem ateísta sob nova roupagem com o intuito de atrair mais pessoas ao movimento, promovendo o afastamento da religião e da crença em Deus em prol do materialismo e consequente secularismo.

https://doi.org/10.19141/1809-2454.kerygma.v15.n2.p32-49
PDF

Referências

CARDOSO, M. F.; CALIXTO, J. Do ateísmo ao neoateísmo: uma breve retrospectiva histórica e suas implicações na sociedade atual. Unitas, v. 6, n. 2, p. 147-160, 2018.

CONCEIÇÃO, M. A. R. da. A fé em diálogo. Aspectos da teologia de Andrés Torres Queiruga em diálogo com o pensamento neoateu de Richard Dawkins. 2010. 142f. Dissertação (Mestrado em Teologia) Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

DAWKINS, R. A escalada do monte improvável: uma defesa da teoria da evolução. 5. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

DAWKINS, R. Fome de saber: a formação de um cientista - memórias. São Paulo: Editora Schwarcz S.A., 2015.

DAWKINS, R. O capelão do diabo. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

DAWKINS, R. O gene egoísta. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

DENNETT, D. Darwin’s dangerous idea: evolution and the meanings of life. London: Simon & Schuster, 1996.

DENNETT, D.; PLATINGA, A. Science and religion: are they compatible? New York: Oxford University Press, 2011.

DENNETT, D. Quebrando o encanto: a religião como fenômeno natural. São Paulo: Globo, 2006.

FRANCO, C. O ateísmo de Richard Dawkins nas fronteiras da ciência evolucionista e do senso comum. 2014. 234f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião, Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2014.

GILLILAN, R. Daniel Dennett. In: JOSHI, S. T. Icons of unbelief, atheists, agnostics, and secularists. London: Greenwood Press, 2008.

GORDON, F. A cidade dos brights: religião, política e ciência no movimento neoateísta. 2011. 39f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Faculdade do Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

GRIMES, W. Christopher Hitchens, Polemicist Who Slashed All, Freely, Dies at 62. The New York Times, 16 de dezembro de 2011, p. 1. Disponível em: https://nyti.ms/2Mm5WFU. Acesso em: 23 fev. 2021.

HARRIS, S. About Sam Harris. Sam Harris. 2016. Disponível em: <http://bit.ly/36ImA9B>. Acesso em: 30 maio 2019.

HARRIS, S. A morte da fé: religião, terror e o futuro da razão. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

HARRIS, S. Carta a uma nação cristã. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

HARRIS, S. Despertar: um guia para a espiritualidade sem religião. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

HITCHENS, C. Amor, pobreza e guerra. Rio de Janeiro: Ediouro, 2006b.

HITCHENS, C. Cartas a um jovem contestador. São Paulo: Companhia das Letras, 2006a.

HITCHENS, C. Deus não é grande: como a religião envenena tudo. Porto Alegre: D. Quixote, 2007.

IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010: número de católicos cai e aumenta o de evangélicos, espíritas e sem religião. Comunicação Social, 29 de junho de 2012. Disponível em: <http://bit.ly/39LwZmW>. Acesso em: 15 jun. 2020.

JERBIALDO. Estatísticas ateístas no mundo. Portal do ateísmo. 30 mar. 2013. Disponível em: <http://bit.ly/3pRClm5>. Acesso em: 15 jun. 2020.

LECOMPTE, D. Do ateísmo ao retorno da religião: Sempre Deus? Trad. Yvone Maria de Campos Teixeira da Silva. São Paulo: Loyola, 2000.

OLIVEIRA, R. M. da N. O corpo em Michel Onfray. 2015. 139f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2015.

ONFRAY, M. Traité d'athéologie: Physique de la Métaphysique. Paris: Grasset & Fasquelle, 2005.

PIVA, P. J. L. O ateísmo militante de Michel Onfray. Discutindo Filosofia, São Paulo, a. 1, n. 6, p. 30 – 32, 08 jan. 2007.

PORTUGAL, A. C.; COSTA, A. L. F. O ateísmo francês contemporâneo: uma comparação crítica entre Michel Onfray e André Comte-Sponville. Horizonte, Belo Horizonte, v. 8, n. 18, p.127-144, jul./set. 2010.

PROJECT Reason. 2017. Disponível em: <https://www.project-reason.org/>. Acesso em: 02 maio 2019.

SOUZA, V. C. de. A coragem em André Comte-Sponville e Paul Tillich. Revista Eletrônica Correlatio, v. 8, n. 15, p. 92 – 101, jun. 2009.

STRACHICINI, W. Consciência antidogmática. Foz do Iguaçu, PR: Editares, 2020.

THE GROWTH of atheism. Pew Research Center. 2019. Disponível em: <http://pewrsr.ch/2MDl8hP>. Acesso em: 30 mai. 2019.

VERA, A. Deus fora da Unicamp. IstoÉ, n. 2293. 30 out. 2013. Disponível em: <http://bit.ly/36KiRZf>. Acesso em: 25 jun. 2020.

Downloads

Não há dados estatísticos.