A historicidade de Nabucodonosor: análise paleográfica e interpretativa de uma inscrição neo-babilônica
PDF

Palavras-chave

Arqueologia
texto cuneiforme
Babilônia
Assiriologia
Paleografia

Como Citar

Silva, R. (2005). A historicidade de Nabucodonosor: análise paleográfica e interpretativa de uma inscrição neo-babilônica. Kerygma, 1(1), 39-44. Recuperado de https://unasp.emnuvens.com.br/kerygma/article/view/351

Resumo

Este artigo pretende traduzir e comentar um texto cuneiforme encontrado em um tijolo babilônico do tempo de Nabucodonosor, e interpretá-lo à luz da busca pela confirmação da historicidade bíblica.
PDF

Referências

Archer, Jr., G. (1985) Daniel, Expositor's Bible Commentary, Grand Rapids, MI: Zondervan.

Ben Tor, A. (1992) The Archaeology of Ancient Israel, New Haven: Yale University Press.

Berger, P. -R. (1981) Assyrich-babyloniches Zeichenliste, Auflage: Neukirchen-Vluyn.

Berger, P.-R. (1973) Die Neubabylonischen Königsinschriften, AOTA 4/1 Auflage: Neukirchen-Vluyn.

Caiger, S. (1947). Bible and Spade London: Oxford University Press.

Callahan, T. (1996). Bible Prophecy: Failure or Fulfillment? New York: Millennium Press.

Collins, J. J. (1994) Daniel, Hermeneia, Minneapolis, Fortress Press.

Cusini, E. A Neo-Babylonian Brick in the Armenian Mechitarist Monastery in Venice (art. Não publicado)

Driver, S. (1900) The Book of Daniel: Cambridge Bible for Schools and Colleges: University Press.

Ferreira, A. B.H., (1996) Novo Dicionário Aurélio, Rio de Janeiro, Nova Fronteira.

Hoerth, A. J. (1999) Archaeology and the Old Testament, Grand Rapids, MI: Baker Book House.

Kerr, W. C. (1940), Alta Crítica, Avanços e Recuos – Rio de Janeiro: Primeiro Congresso de Cultura Religiosa.

Labat, R. (1988), Manuel d’Épigraphie akkadienne, Paris: Librairie Orientaliste Paul Geuthner S.A.

Mella, F. A. A., (1996) Dos Sumérios a Babel, São Paulo: Hemus.

Miller, S. Daniel, (1994) The New American Commentary, Nashville, TN: Broadman.

Mitchell, T. C. (1996) The Bible in the British Museum – Interpreting the Evidence, London: British Museum Press.

Sierichs, Jr., W. (2001) "Daniel in the Historians' Den" (TSR, Vol. 7.4, p.8).

von Soden, W. , The Ancient Orient - An Introduction to the Study of the Ancient Near East Grand Rapids, MI: Eerdmans, 1994.

Steinmann, J. (1960) La critique devant la Bible – Je sais – je croi, Paris: Librairie Arthème Fayard.

Van Eck, S. (2001) “Nebuchadnezzar” (TSR, Vol. 9.6, p. 11).

Volk, K. (1999) Eine weitere Nebukadnezar II. Backstein-Inschrift, Tübingen: Eberhart-Karls-Universität.

Uma vez aceitos para a publicação, os direitos autorais dos artigos são automaticamente transferidos à Kerygma. Todo material utilizado no texto que possua direitos autorais de terceiros devem estar devidamente referenciados. As pessoas autoras também devem deter os direitos de reprodução das imagens e tabelas em seu material, caso seja necessário. Autores(as) que publicam na Kerygma devem concordar com os seguintes termos:

Termo 1: Os(as) autores(as) concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, permitindo o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.
Termo 2: Os(as) autores(as) têm a autorização para assumir contratos adicionais para a distribuição não exclusiva de seu trabalho, conforme publicado na revista (por exemplo: repositório institucional, capítulo de livro etc.). Contudo, ele deve reconhecer a autoria e a publicação inicial do trabalho à Kerygma.
Termo 3
: Os(as) autores(as) concordam com a reprodução livre de seu material pela Kerygma, que poderá adaptar, modificar, condensar, resumir, reduzir, compilar, ampliar, alterar, mixar com outros conteúdos, incluir imagens, gráficos, objetos digitais, infográficos e hyperlinks, ilustrar, diagramar, fracionar, atualizar, traduzir e realizar quaisquer outras transformações, sendo necessária a participação ou autorização expressa dos autores. Ela também pode distribuir mediante cabo, fibra ótica, satélite, ondas ou qualquer outro sistema que permite acesso ao usuário em tempo e lugar determinados, seja por vias gratuitas ou por sistemas que importem pagamento. A Kerygma poderá incluir o trabalho em banco de dados, físico ou virtual, arquivar em formato impresso, armazenar em computador, em sistema de nuvem, microfilmar e demais formas de arquivamento atuais ou que ainda possam ser desenvolvidas, com ou sem fins lucrativos.

A revista Kerygma é detentora dos direitos de todos os trabalhos publicados por ela. A reprodução integral desses textos em outras publicações, para qualquer outra finalidade, por quaisquer meios, requer autorização por escrito do editor. O mesmo serve para reproduções parciais, como resumo, abstract, porções com mais de 500 palavras do texto, tabelas, figuras, ilustrações etc.

Downloads

Não há dados estatísticos.