EXERGAMES COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA EDUCANDOS COM ALTAS HABILIDADES
pdf

Palavras-chave

educação física
educação especial
altas habilidades
desenvolvimento humano
tecnologias assistivas physical education
special education
giftedness
human development
assistive technologies

Como Citar

Oliveira Vargas e Silva, N. C., Lemes de Moraes, R., & Venditti Jr., R. (2021). EXERGAMES COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA EDUCANDOS COM ALTAS HABILIDADES. Life Style, 7(2), 17–26. https://doi.org/10.19141/2237-3756.lifestyle.v7.n2.p17-26

Resumo

A identificação e atendimento da população com altas habilidades/superdotação no período escolar, são demandas que têm aumentado nos últimos anos, mas ainda há alguns mitos e ideais que não correspondem à realidade, e dificultam tanto o processo de identificação, quanto a oferta de serviços que visem à melhoria do estilo e qualidade de vida deste público. O artigo objetiva verificar a aplicabilidade de tecnologias de realidade virtual para esta população. Tecnologias estas que o professor de Educação Física possa incluir no seu planejamento curricular. Cinco participantes com idade entre 7 e 16 anos realizaram uma sessão individual com tecnologia de realidade virtual e exergames para o console de jogos eletrônicos Nintendo® Wii sem ter conhecimento prévio. O estudo analisou qualitativamente os relatos dos participantes. Resultados: os participantes relataram que houve fatores que comprometeram o grau de imersão e envolvimento da tecnologia de realidade virtual, mas ficaram motivados para concluir as tarefas dos minijogos com êxito. Este estudo apresentou uma sistematização de atividades com exergames utilizando o Nintendo® Wii para educandos com altas habilidades/superdotação, contribuindo para que professores de Educação Física possam fazer uso desse tipo de tecnologia, de maneira a promover um estilo de vida ativo entre esses educandos.

https://doi.org/10.19141/2237-3756.lifestyle.v7.n2.p17-26
pdf

Referências

ARANTES-BRERO, D. R. B.; OLIVEIRA, A. P. De; CAPELLINI, V. L. M. F. Identificação de estudantes com indicativos de Altas Habilidades/ Superdotação e aconselhamento par apais e equipe escolar. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO PARA ALTAS HABILIDADES/ SUPERDOTAÇÃO, 1., 2018, Londrina. Anais [...] Londrina: [s. l.], 2018.

AUDI, M.; BARROZO, A. L.; PERIN, B. O.; FROTA, J. B. B.; BRACCIALLI, L. M. P. Realidade virtual como tecnologia para reabilitação: estudo de caso. Revista Educação Especial, v. 31, n. 60, p. 153–166, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008.

CAPARRÓZ, A. S. C.; LOPES, M. C. P. Desafios e perspectivas em ambiente virtual de aprendizagem inter-relações formação tecnológica e prática docente. Educação, Formação & Tecnologias, v. 1, n. 2, p. 50–58, 2008.

CASTAÑER, M.; CAMERINO, O.; LANDRY, P.; PARES, N. Quality of physical activity of children in exergames: Sequential body movement analysis and its implications for interaction design. International Journal of Human Computer Studies, v. 96, p. 67-78, 2016.

CELUPPI, P. R.; FLORES, L. J. F. Educação Física e o Videogame: Uma Relação Possível. In: HASPER, R.; BARROS, G. C.; MULLER, C. C. (Eds.). Os Desafios da Escola Pública Paranaense na Perspectiva do Professor PDE. Curitiba: SEED -PR, 2016.

CHEN, A. Effects of exergaming and the physical education curriculum. Journal of Sport and Health Science, v. 2, n. 3, p. 129-130, 2013.

FOURNIER, K. A.; HASS, C. J.; NAIK, S. K.; LODHA, N.; CAURAUGH, J. H. Coordination in autism spectrum disorders: A synthesis and meta-analysis. Journal of Autism and Developmental Disorders, v.40, n.10, p.1227-1240, 2010.

GARDNER, H. Inteligência: um conceito reformulado. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

HUANG, H. C.; WONG, M. K.; LU, J.; HUANG, W. F.; TENG, C. I. Can using exergames improve physical fitness? A 12-week randomized controlled trial. Computers in Human Behavior, v. 70, p. 310-316, 2017.

ITAKUSSU, E. Y.; VALENCIANO, P. J.; TRELHA, C. S.; MARCHIORI, L. L. M. Benefícios do treinamento de exercícios com o Nintendo® Wii na população de idosos saudáveis: revisão de literatura. Revista CEFAC, v. 17, n. 3, p. 936-944, 2015.

LORENZO, S. M.; BRACCIALLI, L. M. P.; ARAÚJO, R. C. T. Realidade Virtual como intervenção na Síndrome de Down: uma perspectiva de ação na interface saúde e educação. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 21, n. 2, p. 259-274, 2015.

LOURENÇO, C. C. V.; ESTEVES, M. D. L.; CORREDEIRA, R. M. N.; SEABRA, A. F. T. Avaliação dos efeitos de programas de intervenção de atividade física em indivíduos com transtorno do espectro do autismo. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 21, n. 2, p. 319-328, 2015.

MANI, E. M. J.; RANGNI, R. A.; COSTA, M. P. R. Salas de recursos nas redes de ensino estaduais brasileiras : atendimento aos alunos com altas habilidades / superdotação. Revista talento, inteligencia y creatividad, v. 5, n. 9, p. 3-14, 2018.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Atlas, 2016.

MARTINS, B. A.; CHACON, M. C. M. Crianças precoces com indicadores de altas habilidades/superdotação: as características que contrariam a imagem de aluno “ideal”. Educação Unisinos, v. 20, n. 1, p. 96-105, 2016.

MEDEIROS, P.; SANTOS, J. O. L. Dos; CAPISTRANO, R.; CARVALHO, H. P.; BELTRAME, T. S.; CARDOSO, F. L. Efeitos dos exergames em crianças com risco e dificuldade significativa de movimento: um estudo cego randomizado. Revista Brasileira de Ciencias do Esporte, v. 40, n. 1, p. 87–93, 2018.

MENEGHINI, V.; BARBOSA, A. R.; MELLO, A. L. S. F. De; BONETTI, A.; GUIMARÃES, A. V. Percepção de adultos mais velhos quanto à participação em programa de exercício físico com exergames: estudo qualitativo. Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, n. 4, p. 1033-1041, 2016.

MORAES, R. L.; VENDITTI JÚNIOR, R.; ARANTES-BRERO, D. R. B.; PELIÇÃO, T.; ACÁCIO, M. G. S.; MORANDIM, L. C. C.; CAPELLINI, V. L. M. F. Enriquecimento Curricular na Educação Física Escolar. In: LINHARES, W. L. (Ed.). A Educação Física em Foco 2. Ponta Grossa: Atena Editora, p. 60-71,

MORAES, V. B.; ANDRADE, M. M. A.; TOYODA, C. Y.; ARAUJO, R. C. T. O uso do videogame Nintendo® Wii como recurso terapêutico para idosos: uma análise da atividade na perspectiva da Terapia Ocupacional. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, v. 24, n. 4, p. 705-714, 2016.

PAES, R. R.; BALBINO, H. F. Pedagogia do esporte e as inteligências múltiplas: ensino, vivência e aprendizagem socioesportiva. In: BALBINO, H. F. (Ed.). Inteligências múltiplas: uma experiência em pedagogia do esporte e da atividade física no Sesc São Paulo. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, p. 97-118, 2014.

RENZULLI, J. The Schoolwide Enrichment Model : A Comprehensive Plan for the Development of Talents and Giftedness. Revista Educação Especial, v. 27, n. 50, p. 539-562, 2014a.

RENZULLI, J. S. A concepção de superdotação no modelo dos três anéis: um modelo de desenvolvimento para a promoção criativa. In: VIRGOLIM, A. M. R.; KONKIEWITZ, E. C. (Eds.). Altas Habilidades / Superdotação, Inteligência e Criatividade. Campinas: Papirus, 2014b.

RODRIGUES, G. P.; PORTO, C. de M. Realidade Virtual: conceitos, evolução, dispositivos e aplicações. Interfaces Científicas - Educação, Aracaju, v. 1, n. 3, p. 97-109, 2013.

SABBAG, G. P. C.; ARANTES-BRERO, D. R. B. Mitos e crenças sobre altas habilidades ou superdotação entre professores de uma escola da DRE Pirituba/Jaraguá. Revista NEaD-Unesp, v. 3, n. 2, p. 168-200, 2017.

SMOUTEN, L.; COUTINHO, S. da S. Just Dance como possibilidade na dança criativa em contexto escolar. Cadernos de Formação RBCE, v. 7, n. 2, p. 68-77, 2016.

VIRGOLIM, A. M. R. Altas habilidades/ superdotação: um diálogo pedagógico urgente. Curitiba: InterSaberes, 2019.

Downloads

Não há dados estatísticos.