ÍNDICE DE RISCO DE APNEIA DO SONO NOS JOVENS ADULTOS
pdf

Palavras-chave

apneia obstrutiva do sono
sonolencia
ronco obstructive sleep apnea
drowsiness
snoring

Como Citar

da Silva, B. V. da S. V., & Colucci, M. (2021). ÍNDICE DE RISCO DE APNEIA DO SONO NOS JOVENS ADULTOS: AS RELAÇÕES COM O ESTILO DE VIDA. LifeStyle, 7(2), 7–16. https://doi.org/10.19141/2237-3756.lifestyle.v7.n2.p7-16

Resumo

A apneia obstrutiva do sono (AOS) é caracterizada pelo colapso das vias aéreas superiores, causando obstrução total ou parcial durante o sono. A melhor forma de diagnóstico é através da polissonografia, a aplicação de questionários também pode ser útil no diagnóstico, um dos melhores é o Epworth. O objetivo desse artigo é analisar por meio do questionário Epworth a frequência de apneia obstrutiva do sono em adultos jovens. Todos os indivíduos participantes responderam a três questionários, o primeiro tem a finalidade de coletar os dados antropométricos e de hábitos de vida, e estilo de vida, o segundo questionário é o questionário de Berlin que tem por finalidade saber se o participante tem indicativo para apneia do sono, e o terceiro questionário é o de Epworth que tem por finalidade avaliar a sonolência diurna e índice de apneia do sono. Foram coletados dados de 108 participantes, sendo que foram excluídos um total de 22 questionários. A frequência de SAS foi maior entre as mulheres do que para os homens, também aqueles com peso maior do 100kg e IMC maior do 25 teve alta frequência de SAS, assim como entre aqueles com alimentação não saudável. Existe a possibilidade de indivíduos com SAS de dormirem durante estiverem dirigindo um automóvel. A frequência de apneia do sono vista pelo questionário de Berlin foi de 15%, sendo maior entre as mulheres, indivíduos com IMC maior do que 25 kg/m2.

https://doi.org/10.19141/2237-3756.lifestyle.v7.n2.p7-16
pdf

Referências

ALVES, P. R. R; RAMOS, F. A; VOLPATO, T.B. Qualidade de vida em indivíduos com apneia obstrutiva do sono moderada a grave antes e após tratamento com pressão positiva contínua nas vias aéreas. ABCS Health Sciences, v. 41, n. 3, p. 146-149, 2016.

BERTOLAZI, A. N.; FAGONDES, S. C.; HOFF, L. S.; PEDRO, V. D.; BARRETO, S. S. M.; JOHNS, M. W. Validação da escala de sonolência de Epworth em português para uso no Brasil. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 35, n. 9, p. 877-883, 2009.

BOARI, L. CAVALCANTI, C.M; BANNWART, S.R.F.D; SOFIA, O.B; DOLCI, J.E.L. Avaliação da escala de Epworth em pacientes com a Síndrome. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia, v. 70, n. 6, p. 752-756, 2004.

CAMPOSTRINI, D. D. A; PRADO, L. B. F.; PRADO, G. F. Síndrome da apneia obstrutiva do sono e doenças cardiovasculares. Revista Neurociência, v. 22, n. 1, p. 102-112, 2014.

DRAGER, L. F; POYARES, D. Apneia obstrutiva do sono e doença cardiovascular. Revista da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo, v. 29, n. 2, p. 155-159, 2019.

KOO, S. K.; AHN, G. Y.; CHOI, J. W.; KIM, Y. J.; JUNG, S. H.; MOON, J. S.; LEE, Y. I. Obstructive sleep apnea in postmenopausal women: a comparative study using drug induced sleep endoscopy. Brazilian Journal of Otorhinolaryngology, v. 83, n. 3, p. 285-291, 2017.

ROSA, M. L. G.; SILVA, K. V.; JORGE, A. J. L.; LEITE, A. R.; CORREIA, D. M. S.; SILVA, D. S.; CETTO, D. B.; BRUM, A. P.; NETTO, P. S.; RODRIGUES, G. D. Prevalência de Risco para Síndrome de Apneia Obstrutiva do Sono e Associação com Fatores de Risco na Atenção Primária. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, [s. v.], [s. n.], online, 2016. Disponível em: https://bit.ly/2Z2VS7h. Acesso em: 10 fev. 2021.

LEI, Q.; LV, Y.; LI, K.; MA, L.; DU, G.; XIANG, Y.; LI, X. Efeitos da pressão positiva contínua nas vias aéreas na pressão arterial em pacientes com hipertensão resistente e apneia obstrutiva do sono: revisão sistemática e meta-análise de seis ensaios clínicos controlados aleatórios. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 43, n. 5, p. 373-379, 2017.

LEITE, A. R.; MACEDO, E. E.; JORGE, A. J. L.; ROSA, M. L. G. Correlação de Risco entre Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono e Insuficiência Cardíaca na Atenção. International Journal of Cardiovascular Sciences, v. 30, n. 5, p. 459-463, 2017.

LINDBERG, E.; GISLASON, T. Epidemiology of sleep-related obstructive breathing. Sleep Medicine Reviews, v. 4, n. 5, p. 411-433, 2000.

MASSA, K. H. C.; DUARTE, Y. A. O.; FILHO, A. D. P. C. Análise de prevalência de doenças cardiovasculares e fatores associados em idosos, 2000-2010. Ciência & Saúde coletiva, v. 24, n. 1, p. 105-114, 2019.

MURRAY, J. W. A New Method for Measuring Daytime Sleepiness: The Epworth Sleepiness Scale. Sleep, v. 14, p. 540-545, 1991.

NETZER, N. C.; STOOHS, R.A.; NETZER, C. M.; CLARK, K.; STROHL, K. P. Using the Berlin Questionnaire to identify patients at risk for the sleep apnea syndrome. Annals of internal medicine, v. 131, n. 7, p. 485-491, 1999.

PASSOS, U. L.; GENTA, P. R.; MARCONDES, B. F.; FILHO, G. L.; GEBRIM E. M. M. S. Alterações nas vias aéreas superiores avaliadas por TC multidetectores durante a vigília e o sono em indivíduos saudáveis e em pacientes com apneia do sono durante eventos obstrutivos. Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia, v. 45, n. 4, online, 2019. Disponível em: https://bit.ly/2Z3rKZv. Acesso em: 10 fev. 2021.

QUEIROZ, D. L. C.; YUI, M. S.; BRAGA, A. A.; COELHO, M. L.; KUPPER, D. S.; SANDER, H. H.; ALMEIDA, L. A.; FERNANDES, R. M. F.; ECKELI, A. L.; VALERA, F. C. P. Adherence of obstructive sleep apnea syndrome patients to continuous positive airway pressure in a public service. Brazilian Journal of Otorhinolaryngology, v. 80, n. 2, p. 126-130, 2014.

SÁ, R. T. O.; FRANÇA, I. M. L.; CATÃO, C. D. S.; CRUZ, J. B. Análise dos fatores de risco para síndrome da apnéia obstrutiva do sono em motoristas de caminhão. Revista de Ciências Médicas e Biológicas, v. 17, n. 1, p. 65-77, 2018.

SILVA, E. D. L.; CATÃO, M. H. C. V.; COSTA, R. O.; COSTA, I. R. R. S. Multidisciplinaridade na apneia do sono: uma revisão de literatura. Revista CEFAC, v. 16, n. 5, p. 1621-1626, 2014.

SIN, D. D.; FITZGERALD, F.; PARKER, J. D.; NEWTON, G.; FLORAS, J. S.; BRADLEY, T. D. Risk factors for central and obstructive sleep apnea in 450 men and women with congestive heart failure. American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine, v. 160, n. 4, p. 1101-1106, 1999.

STRADLING, J.; DAVIES, R. J. Sleep apnea and hypertension: what a mess. Sleep, V. 20, N. 9, P. 789-793, 1997.

TUOMILEHTO, H. P.; SEPPÄ, J. M.; PARTINEN, M. M.; PELTONEN, M.; GYLLING, H.; TUOMILEHTO, J. O.; VANNINEN, E. J.; KOKKARINEN, J.; SAHLMAN, J. K.; MARTIKAINEN, T.; SOINI, E. J.; RANDELL, J.; TUKIAINEN, H.; UUSITUPA, M.; KUOPIO SLEEP APNEA GROUP. Lifestyle intervention with weight reduction: first-line treatment in mild obstructive sleep apnea. American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine, v. 179, n. 4, p. 320-327, 2009.

YOUNG, T.; PEPPARD, P. E. Epidemiology of obstructive sleep apnea. In: MCNICHOLAS, W. T.; PHILLIPSON, E. A. (Eds.). Breathing disorders in sleep. London: W. B. Saunders, 2002, p. 31–43.

YOUNG, T.; PEPPARD, P. E.; GOTTLIEB, D. J. Epidemiology of obstructive sleep apnea: a population health perspective. American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine, v. 165, n. 9, p. 1217-1239, 2002.

WHITE, D. P. Central sleep apnea. In: Kryger, M. H; Roth, T.; Dement, W. C. (Eds.). Principles and practice of sleep medicine. Philadelphia: W. B. Saunders, p. 827-839, 2000.

WRIGHT, J.; SHELDON, T. Sleep apnea and its impact on public health. Thorax, v. 53, p. 410-413, 1998.

Downloads

Não há dados estatísticos.