PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES
PDF

Palavras-chave

Envelhecimento
Fitoterapia
Homeopatia
Polifarmácia aging
fitotherapy
homeopathy
polipharmacy

Como Citar

Stuchi, A. C., Ferreira Freire, V. A., & Calábria, L. K. (2021). PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES: ADESÃO DAS UNIDADES DE SAÚDE E IDOSOS DE ITUIUTABA, MG. Life Style, 7(2), 57–64. https://doi.org/10.19141/2237-3756.lifestyle.v7.n2.p57-64

Resumo

A Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares estimula a oferta de procedimentos terapêuticos à população no Sistema Único de Saúde no Brasil. O presente estudo explorou a adesão dessas práticas por idosos atendidos nas Unidades de Saúde de Ituiutaba/MG. Trata-se de uma abordagem mista, descritiva e transversal, na qual os dados foram coletados por meio de entrevista e aplicação de questionário semiestruturado. Dos 155 idosos entrevistados, 89 eram mulheres e 66 eram homens, com idade média de 70,7 anos, tendo a maioria até 4 anos de estudo, aposentados e/ou pensionistas, com companheiro(a), com renda mensal menor ou igual a um mil reais e que não morava sozinho(a). Ainda, 20,6% dos entrevistados revelaram utilizar algum tipo de medicina complementar, sendo a fitoterapia a mais citada (78,1%). Do total de entrevistados, 96,1% declararam usar medicamentos alopáticos e 52,3% afirmaram usar plantas medicinais. Conclui-se que poucos idosos utilizam as terapias complementares e que ainda prevalece o modelo biomédico nos atendimentos, talvez por falta de conhecimento, falta de investimentos públicos para a sua oferta, ou treinamento dos profissionais de saúde neste município. Faz-se necessária uma nova abordagem das Práticas Integrativas e Complementares na Saúde tornando-as mais conhecidas, beneficiando integralmente à saúde dos idosos.

https://doi.org/10.19141/2237-3756.lifestyle.v7.n2.p57-64
PDF

Referências

AGUIAR, J.; KANAN, L. A.; MASIERO, A. V. Práticas Integrativas e Complementares na atenção básica em saúde: um estudo bibliométrico da produção brasileira. Saúde Debate, v. 43, n. 123, p. 1205-1218, 2019.

ARAÚJO, B. S. S. et al. Plantas medicinais utilizadas por pacientes de uma rede pública de saúde. In: CALÁBRIA, L. K.; REZENDE, A. A. A. (Org.). Fitoterapia do Cerrado: sua importância e potencial. Curitiba: Appris, p. 113-127, 2018.

BARBOSA, M. A.; SIQUEIRA, K. M. BRASIL, V. V.; QUEIROZ, A. L. Crenças populares e recursos alternativos como práticas de saúde. Revista Enfermagem UERJ, , v. 12, p. 38-43, 2004.

BELASCO, I. C.; PASSINHO, R. S.; VIEIRA, V. A. Práticas integrativas e complementares na saúde mental do estudante universitário. Arquivos Brasileiros de Psicologia, v. 71, n. 1, p. 103-111, 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Manual de implantação de serviços de práticas integrativas e complementares no SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2018b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS: atitude de ampliação de acesso. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 145, de 11 de janeiro de 2017. Altera procedimentos na Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS para atendimento na Atenção Básica. Brasília: Presidência da República, [2017]. Disponível em: https://bit.ly/35GlESs. Acesso em: 27 fev. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 971, de 3 de maio de 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Brasília: Presidência da República, [2006].Disponível em: https://bit.ly/3bH0nMz. Acesso em: 26 fev. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Práticas Integrativas e Complementares em Saúde: uma realidade no SUS. Revista Brasileira Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde, 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 702, de 21 de março de 2018. Altera a Portaria de Consolidação nº 2/GM/MS, de 28 de setembro de 2017, para incluir novas práticas na Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares – PNPIC. Brasília: Ministério da Saúde, 2018a. Disponível em: https://bit.ly/3sAl5DV. Acesso em: 27 fev. 2020.

BRASIL. Ministério da Casa Civil. Decreto nº 5.813, de 22 de junho de 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências. Brasília: Ministério da Casa Civil, 2006. Disponível em: https://bit.ly/3nJIxdV. Acesso em 10 set. 2018.

CALÁBRIA, L. K.; REZENDE, C. H. A. Plantas medicinais: desafios da prática do saber popular no envelhecimento. In: FARIA, L.; CALÁBRIA, L. K.; ALVES, W. A. (Org.). Envelhecimento: um olhar interdisciplinar. São Paulo: HUCITEC, p. 322-353, 2016.

COSTA, E. A.; SOBRINHO, I. P.; CARVALHO, G. O.; ALMEIDA, G. H.; CAMARGO, R. L.; MENDES, A. A. Valorização da medicina alternativa: conquistando unanimidade de opiniões. In: SEMINÁRIO CIENTÍFICO DO UNIFACIG, 3., 2017, Manhuaçu. Resumos. Manhuaçu: FACIG, p. 1-4, 2017.

FIRMO, W. C. A.; MENEZES, V. J. M.; PASSOS, C. E. C.; DIAS, C. N.; ALVES, L. P. L.; DIAS, I. C. L.; NETO, M. S.; OLEA, R. S. G. Contexto histórico, uso popular e concepção científica sobre plantas medicinais. Cadernos de Pesquisa, v. 18, n. especial, p. 90-95, 2011.

ISCHKANIAN, P. C.; PELICIONI, M. C. F. Desafios das práticas integrativas e complementares no SUS visando a promoção da saúde. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, v. 22, n. 2, p. 233-238, 2012.

KÜLKAMP, I. C.; BURIN, G. D.; SOUZA, M. H. M.; SILVA, P.; PIOVEZAN, A. P. Aceitação de práticas não convencionais em saúde por estudantes de medicina da Universidade do Sul de Santa Catarina. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 31, n. 3, p. 229-235, 2007.

LIMA, L. V. Análise das práticas integrativas e complementares no contexto da atenção básica. 2019. 45 f. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Psicologia) – Universidade Federal de São Paulo. Santos, 2019.

LUZ, M. T. Cultura contemporânea e medicinas alternativas: novos paradigmas em saúde no fim do século XX. Physis, v. 15, p. 145-176, 2005.

MARTINS, R. D.; PINTO, R. H.; SENNA, S. M.; LIMA, A. W. S.; MOTA, C. R. D. F. e C.; FONTES, D. A. F.; BARROS, F. A.; XIMENES, R. M. Estruturação do espaço Farmácia Viva na Universidade Federal de Pernambuco como estratégia para formação em Fitoterapia. Vittalle, v. 30, n. 1, p. 182-191, 2018.

MARTIUS, C. P. V. Natureza, doenças, medicina e remédios dos índios brasileiros. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1939.

BRASIL. Ministério da Saúde. Práticas Integrativas e Complementares (PICS): quais são e para que servem. Brasília: Ministério da Saúde, 2019. Disponível em: <https://bit.ly/3bOYPQm>. Acesso em: 19 fev. 2020.

NEVES, R. G.; PINHO, L. B.; GONZÁLES, R. I. C.; HARTER, J.; SCHNEIDER, J. F.; LACCHINI, A. J. B. The knowledge of health professionals about the complementary therapies on primary carecontext. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental, v. 4, n. 3, p. 2502-2509, 2012.

PENNAFORT, V. P. S.; FREITAS, C. H. A.; JORGE, M. S. B.; QUEIROZ, M. V. O.; AGUIAR, C. A. A. Práticas integrativas e o empoderamento da enfermagem. Revista Mineira de Enfermagem, v. 16, n. 2, p. 289-295, 2012.

PREFEITURA MUNICIPAL DE IUTIUTABA. Unidades de Saúde. Iutiutaba: Prefeitura Municipal, 2016. Disponível em: https://bit.ly/3nGlmkQ. Acesso em: 25 fev. 2020.

RUELA, L. O.; MOURA, C. C.; GRADIM, C. V. C.; STEFANELLO, J.; IUNES, D. H.; PRADO, R. R. Implementação, acesso e uso das práticas integrativas e complementares no Sistema Único de Saúde: revisão da literatura. Ciência & Saúde Coletiva, v. 24, n. 11, p. 4239-4250, 2019.

SIAHPUSH, M. A critical review of the sociology of alternative medicine: research on users, practitioners and the orthodoxy. Health, v. 4, n. 2, p. 159-178, 1999.

SILVEIRA, E. A.; DALASTRA, L.; PAGOTTO, V. Polifarmácia, doenças crônicas e marcadores nutricionais em idosos. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 17, n. 4, p. 818-829, 2014.

SOUSA, I. M. C.; TESSER, C. D. Medicina Tradicional e Complementar no Brasil: inserção no Sistema Único de Saúde e integração com a atenção primária. Cadernos de Saúde Pública, v. 33, n. 1, p. 1-15, 2017.

TESSER, C. D. Práticas complementares, racionalidades médicas e promoção da saúde: contribuições poucos exploradas. Cadernos de Saúde Pública, v. 25, n. 8, p. 1732-1742, 2009.

THIAGO, S. C. Medicinas e terapias complementares na visão de médicos e enfermeiros da Saúde da Família de Florianópolis. 2009. 148 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) – Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2009.

TOMAZZONI, M. I. Subsídios para a introdução do uso de fitoterápicos na rede básica de saúde do município de Cascavel/PR. 133 f. 2004. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2004.

Downloads

Não há dados estatísticos.